quinta-feira, 29 de novembro de 2012

anquanto i nó // entretanto


inda un die hei de fazer poemas
cumo quien arquiba l mundo, 
puostos bien al modo para chubir cumo scalada, 
oupidos, dreitos, para serbíren de caiato, 
çumentos para atamáren ciertas sedes, 
i al meio ls pochos de l mundo botáren sou oulor, 
pedrica a poner mais firme la casa adonde moramos: 

anquanto i nó,
bou daprendendo las palabras
i l oufício
de las lhebar alhá de sou sonido,
sou zalento, sou zatino, 
até paráren de ouliar l sou delor,
mal cuntentas de queréren mais que son


//


ainda um dia hei de fazer poemas
como quem arquiva o mundo,
postos bem ao jeito para subir como uma escada,
erguidos, direitos, para servirem de cajado,
sumarentos para matarem certas sedes,
e no meio dos podres do mundo deitarem seu odor,
pedrinha a deixar mais firme a casa onde moramos:

entretanto,
vou aprendendo as palavras
e o ofício
de as levar além do seu som,
seu desalento, seu desatino,
até deixarem de uivar a sua dor,
descontentes por quererem mais que são




4 comentários:

Maria de Jesus Videira disse...

Quem me dera,
nem que apenas por um breve momento,
poder dizer como tu dizes,
aquilo que me vai na alma

Beisico
Mara

Amadeu disse...

Mara, tu dizes, i mui bien, todo quanto quieres dezir. L que queda ye l'eideia de que las palabras nun son capazes de dezir todo quanto quieres que dígan: ende somos armanos. Mas cuntina a ateimar cun eilhas...
Beisico
A.

Maria de Jesus Videira disse...

Continuarei...
teimosamente

Beisico
Mara

Amadeu disse...

Isso mesmo, cuntinar ye perciso.. sien nunca zistir.

beisico
A.