sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

pequeinho tratado de ls ampeços de l die // pequeno tratado do começo do dia



a la purmanhana, deseia te buonos dies assi que spertes, puis para algo han de serbir ls speilhos; oube la música que chube de la rue i entra pula baranda, i has de sentir mais ameroso l tapete de scuma que le stendes an tue cara a la muorte de la barba; nun deixes de lhigar la telbison anquanto te purparas l zayuno, bota le lhougo un purmeiro mirar de anfado, que essa ye ua buona paga por tanta nubrina de l mundo te traier; pon te al modo para que l zayuno, seia l que fur, te saba pula bida, puis todo l quemido ye ua purmeira bencion de l die, que tiempo has de tener para muita cousa angulhir sien te dares de cuonta; nunca te squeças de que la priessa ye siempre l beneno de ls ampeços de l die que, anque te lhiebe, nunca te ha de bencir; deixa te quedar, un cachico que seia, solo cuntigo, cumo se por un sfergante naide mais eisistira, puis solo tu sós la rezon de ser de l mundo para ti; se quejires ler jornales, tenes inda muito tiempo, que agora ye amportante l sol, l aire, l'auga que chuobe, la nubrina, cunsante l tiempo, purparado para arrepassar la jinela cun tue risa, anque muda, i guardar quanto frescor puodas al fondo ls uolhos; claro que tenes dreito a star triste, cun gana de cuntinar a drumir, ou cansado até, mas acha ua maneira de çcargar toda essa eiletracidade al modo que bás adentando l pan i angulhindo l lheite ou l café; ha de te chegar l oulor pocho de muito mundo, nun le cerres la jinela, mas que te sirba para ousmares cumo un cinoés de buono oulor tu puodes sparbar; i al fin, quando salires de casa, camina dreito nien que seia por un cachico, antes de te perderes ne l matorral de l die, que essa denidade nien ls aires cuntrairos que ende mesmo te ampéçan a zupiar la cara te puoden tirar.


//


de manhãzinha, deseja-te bom dia mal acordes, pois para alguma coisa hão de servir os espelhos; ouve a música que sobe da rua e entra pela varanda, e sentirás mais suave o tapete de espuma que estendes no teu rosto à morte da barba; não deixes de ligar a televisão enquanto te preparas o pequeno almoço, deita-lhe imediatamente um primeiro olhar de enfado, que essa é uma boa paga por tanto nevoeiro do mundo te trazer; prepara-te para que o pequeno almoço, seja o que for, te saiba pela vida, porque todo o alimento é uma primeira bênção do dia, que hás de ter tempo para engolir muitas coisas sem que te apercebas; nunca te esqueças de que a pressa é sempre o veneno dos começos do dia que, embora te leve, nunca te deve vencer; deixa te ficar, um instante que seja, apenas contigo, como se nesse momento ninguém mais existisse, porque apenas tu és a razão de ser do mundo para ti; se quiseres ler jornais, tens ainda muito tempo, pois agora é importante o sol, o vento, a chuva, o nevoeiro, conforme o tempo, preparado para ultrapassar a janela com o teu riso, ainda que mudo, e guardar quanta frescura possas no fundo dos olhos; é óbvio que tens direito de estar triste, com vontade de continuar a dormir, ou até cansado, mas encontra uma maneira de descarregar toda essa electricidade à medida que vai mordiscando o pão e engolindo o leite ou o café; há de chegar-te o cheiro podre de muitos mundos, não lhe feches a porta, mas que te sirva para esboçares como um quase nada de bom odor tu podes espalhar; e por fim, quando saíres de casa, caminha direito nem que seja por um instante, antes de te perderes no matagal do dia, pois essa dignidade nem os ventos contrários que aí mesmo te começam a flagelar o rosto te pode tirar.






1 comentário:

guerreira xue disse...

Uma bela prosa poetica ,sim senhor!