sexta-feira, 28 de novembro de 2008

cumo scultor a la piedra



quando quejires fazer, calha-te i faç; mas se l feito metir palabras screbidas, ende nun las açagues nin las çprézies: scuolhe-las bien al modo que las bás ancarreirando; na dúbeda, lei-las alto i guia-te pula música que fázen: agarra-te al testo cumo scultor a la piedra; nunca l dés por acabado, mas a cada bejita deixa marca de tue passaige, assi cumo quien dá ls buonos dies; se un die tornares alhá i yá nun oubires la música, deixa-lo pus yá nun ye tou.



2 comentários:

alexandraonelight disse...

Com efeito, a escultura tem música; será essa música o sopro que a torna viva... e, quando o escultor/escritor deixou de a ouvir, foi porque ela já deu, a si mesma, a ordem de "surge et ambula"... e de composição, passou a compositor(a), ou criação a criador(a).
Saudações do vale do Ave,
Alexandra

Amadeu disse...

L criador nun se puode agarrar para siempre a la criatura: l segredo ye saber quando esta stá an cundiçones de ser lhibre i andependiente; l drama ye que nunca l saberemos; la cundanaçon ye que nun podemos deixar de cuntinar, a criar, seia esso l que fur.
Buonas nuites Alexandra,
A.