segunda-feira, 14 de maio de 2007

Al meio de l camino


Al meio de l camino ua piedra

habie ua piedra al meio de l camino

habie ua piedra

al meio de l camino habie ua piedra.


Nunca me bou a squecer desse acuntecimiento

Na bida de mies retinas tan cansadas.

Nunca me bou a squecer que al meio de l camino

Habie ua piedra

Habie ua piedra al meio de l camino

Al meio de l camino habie ua piedra.


Carlos Drummond de Andrade, Alguma Poesia.

Traduçon de Fracisco Niebro



[an pertués:

No meio do caminho

No meio do caminho uma pedra

tinha uma pedra no meio do caminho

tinha uma pedra

no meio do caminho tinha uma pedra.

Nunca me esquecerei desse acontecimento

na vida de minhas retinas tão fatigadas.

Nunca me esquecerei que no meio do caminho

tinha uma pedra

tinha uma pedra no meio do caminho

no meio do caminho tinha uma pedra.]





P.S. – Hai cousas tan pequeinhas, que son capazes de mos acupar l camino todo i parece que yá nun sabemos cumo passar, agarrando-mos nua fixaçon sien sentido, nun martelhar sien paraige, que nien l miolho pensa, nien l sentido sinte. Mas l camino alhá stá i cuntina, i ua pedrica nun passa desso mesmo. (AF)


1 comentário:

bernardodayrell13 disse...

Confesso que ver Carlos Drummond escrito nesta língua híbrida entre o espanhol e o português é bem estranho, mas interessante. Ainda mais para eu que nasci e moro na região que ele (Carlos Drummond nasceu e viveu). Parece muito com o "Portunhol" que se fala na fronteira entre o Brasil e seus visinhos Uruguai, Paraguai, e Argentina.
Abraços.